TRADUTOR/TRANSLATE

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Às mesquitas do Brasil

1- Os lugares tradicionais de culto e adoração não nos representam. 

2- Nesses espaços nós estamos silenciadas, acuadas, e invisíveis; e temos que aderir a uma narrativa centrada no homem para ganhar algum respeito. 

3- A distribuição do espaço, o que podemos ou não fazer, e o comportamento que se espera de nós, não expressa o que queremos ou esperamos de nós mesmas como seres espirituais.

4- O patriarcado nos ensinou a desconfiar de nós mesmas, de nossas habilidades, e de nosso potencial, e acabamos agindo assim com as nossas irmãs.

5- Temos que começar a confiar, acreditar, apoiar e reconhecer as vozes, potencialidades e habilidades de outras mulheres, se quisermos combater o patriarcado na religião, e abrir novos caminhos para as mulheres na espiritualidade.

6- Toda mulher tem preocupações espirituais que nem sempre são atendidas em locais de cultos tradicionais.

7- Temos que recuperar a ideia da Mesquita como um lugar de encontro, reflexão e partilha de conhecimentos, para realçar o importante papel que as mulheres tiveram na formação e fortalecimento de suas comunidades nos primórdios do islã - um papel que foi tornado invisível pelo patriarcado extensivamente. Devemos também desafiar o imaginário cultural que cerca as mulheres crentes e o androcentrismo prevalecente em espaços religiosos.

Tudo começa quando você acredita. A consciência da nossa situação deve vir através de mudanças internas antes das mudanças na sociedade. Nada acontece no "mundo real", a menos que aconteça primeiro nas imagens que carregamos em nossas cabeças, e no sentimento que carregamos em nossas almas.

A misoginia nas práticas religiosas não só afeta o exercício de nossos direitos como mulheres e nossa posição na sociedade, como também a nossa auto-percepção e vida interior. Cada vez que uma mulher descobre seu valor intrínseco e sua dignidade inerente, seu humor muda, seu espírito se torna mais leve, e sua alma ganha nova força.

A espiritualidade não é exclusivamente religiosa. O que acontece é que a religião tem espiritualidade limitada. Como a religião é controlada pelo patriarcado, o patriarcado é responsável por decidir o que é ou não a espiritualidade.

Só quebrando a parede de vidro para podemos ir além de qualquer "teto", e segurarmos, com nossas próprias mãos, a parte do céu que pertence a todas nós. Nesta tarefa, a fé tem que ser a força motriz para superarmos o medo da dissidência. Por trás de todas as diferenças há algo sagrado em todas as mulheres: Nós somos inerentemente valiosas, livres, espirituais e diversificadas.

Trechos retirados do texto "Led by a Women’s Mosque: Space Of Our Own. por Vanessa Rivera de la Fuente."



Um comentário:

  1. Não boto mais os pés em mesquita alguma, não me sinto acolhida de jeito nenhum.
    E me recuso a colocar véu para entrar em uma.

    ResponderExcluir