TRADUTOR/TRANSLATE

sábado, 31 de janeiro de 2015

Huda Shaarawi (1879-1947) muçulmana feminista

Huda, foi uma feminista egípcia que influenciou não só as mulheres no Egito, mas em todo o mundo árabe. Ela foi pioneira no feminismo, e trouxe luz ao mundo restritivo das mulheres de classe alta em seu livro 'The Harem Years', publicado em 1987.

Huda Shaarawi (também escrito Hoda Shaarawi ou Sha'arawi) foi criada no sistema harem, que mantinha as mulheres isoladas e veladas. Famílias muito ricas tinham edifícios e eunucos separados para guardar as mulheres que atuavam como seus mensageiros para o mundo exterior. A palavra "harem", na verdade, refere-se às salas em que as mulheres ficavam separadas dos homens. Todas as mulheres, ricas ou pobres, saiam veladas, exceto mulheres camponesas no campo. Mulheres veladas e o sistema de harem, foram tradições culturais, e foram seguidas por mulheres judias e cristãs, bem como muçulmanas.

Huda foi muito bem educada desde tenra idade. Ela foi educada em uma variedade de assuntos e falava francês, turco e árabe.

Na idade de 13, Huda se casou com seu primo Ali Pasha Shaarawi. Em seu contrato de casamento ele havia prometido deixar sua escrava-concubina, mas ela lhe deu um filho um ano depois de seu casamento. Huda separou-se dele e eles, então, mantiveram-se assim pelos próximos 7 anos. Durante esse tempo ela foi capaz de ser independente, uma vez que seu pai tinha morrido quando ela era jovem. Ela estendeu a educação e envolveu-se em ativismo. Na medida em que ela crescia, seu marido, um ativista político próprio, incluiu-a em seus encontros políticos, e muitas vezes procurava seu conselho.

Em 1908, ela fundou a primeira sociedade filantrópica administrada por mulheres egípcias, onde ofereciam serviços para mulheres e crianças pobres.

Em 1910, ela abriu uma escola para meninas focada em acadêmicos, em vez de ensinar habilidades práticas como parteira que era comum na época.

Em todo o mundo, os movimentos de reforma social, incluindo o sufrágio feminino, foram ganhando terreno, e as mulheres do Egito não ficaram imunes. O país foi modernizando e expandindo as oportunidades educacionais para as mulheres. Ela organizou palestras para as mulheres sobre vários temas, trazendo-as para fora de suas casas, para lugares públicos. Após a Primeira Guerra Mundial, muitas mulheres deixaram o harem para tomar medidas contra o domínio britânico no Egito, e Huda Shaarawi levantou-se para organizá-los. Em 1919, ela ajudou a organizar a manifestação de mulheres anti-britânica ocupação.

Em 1923, Huda Shaarawi fundou a União Feminista Egípcia, que ainda está ativa, como uma organização sem fins lucrativos, até hoje. Elas se concentraram em várias questões, incluindo o sufrágio e educação das mulheres. Huda também foi apaixonadamente contra as restrições de roupas para as mulheres e liberdade de movimento, que era uma parte central da vida em um harem.

Huda tinha evoluído como uma feminista ao longo de sua vida, influenciada pelas desigualdades que ela tinha sofrido enquanto estava crescendo, pela sua educação, o seu período de liberdade depois de seu casamento, e pelas mudanças em curso no mundo. Quando a independência egípcia foi anunciada em 1922, esperava-se que as mulheres regressassem ao seu antigo modo de vida no harem, depois de ajudar na luta pela liberdade. Huda não estava preparada para fazer isso.

Após o marido de Huda morrer em 1923, ela tomou uma decisão para o qual ela é agora famosa. Ela voltou para o Egito depois de participar de uma conferência de mulheres na Europa. Pisando para fora do trem de volta ao Cairo ela tirou o véu na frente da multidão. Todo mundo ficou chocado. Depois de alguns momentos a multidão invadiu em gritos e aplausos. Algumas mulheres se juntaram a ela na remoção de seus próprios véus. Dentro de uma década de atos de desafios de Huda, poucas mulheres ainda optavam por usar o véu.

Hoda Shaarawi continuou a liderar a União Feminista egípcia até sua morte, demonstrando e organizando a luta pelos direitos das mulheres no novo Egito. Ela representou o Egito em conferências de mulheres ao redor do mundo, em defesa da paz e do desarmamento. Ela também foi um membro (e, em 1935, vice-presidente) da Aliança Internacional das Mulheres para o Sufrágio e Igualdade de Cidadania, e presidente fundadora da União Feminista Árabe em 1945.

Com sua mistura única de feminismo no estilo ocidental com os costumes/cultura de seu próprio país, e nacionalismo egípcio, Huda Shaarawi influenciou milhões de mulheres árabes e pessoas de todo o mundo.

referências

Huda Sha`arawi. Sunshine for Women.
Egyptian women make their mark. Al-Ahram Weekly.
“Huda Shaarawi” por Melissa Spatz.

Tradução: Pollyanna Meira


Nenhum comentário:

Postar um comentário