TRADUTOR/TRANSLATE

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

O que os Ahadiths Dizem Sobre o Homem em Relação a Mulher Versus a Posição do Alcorão

O Alcorão pede para os homens não tratarem as mulheres com dureza, mas para viver com elas em bondade e não distratá-las, porque pode ser que não gostem de uma coisa que é uma fonte de boa abundancia para eles (4:19), e um fonte de conforto para os olhos (25:74). O Alcorão descreve a relação conjugal em termos de entendimento mútuo, amor, respeito, compaixão, cooperação, complementaridade e equidade (30:21, 04:19, 7: 189, 2: 228).

Em contraste, o hadith exibe uma atitude particularmente humilhante para as mulheres. Enquanto o Alcorão afirma que homens e mulheres se qualificam igualmente pela misericórdia de Deus, um hadith sugere que a maioria dos ocupantes do inferno serão mulheres (Bukhari, Vol. 7, Livro 62, Número 124). Outro texto retrata as mulheres como uma aflição muito prejudicial para os homens (ibid, Vol 7, Livro 62, nº 33). Ainda outro diz que as mulheres, a casa e o cavalo são como um presságio ruim (volume ibid 7, livro 62, nº 31). Textos semelhantes também estão em Muslim, Tirmidhi e Nasa'i. Ainda um outro texto considera as mulheres deficientes em inteligência e religião (Bukhari, Vol. 1, Livro 6, nº 301). Ainda um outro texto fala de mulheres como sendo ingratas para os seus maridos (ibid, 7 Vol, Livro 62, # 125;. Vol. 1, Livro 2, nº 28).

Qualquer pessoa com razão questionaria como um homem da estatura de um profeta poderia falar tão mal das mulheres e, mais importante, contra o próprio espírito da mensagem do Alcorão.

O estudioso islâmico Eminent Khaled Abou El Fadl cita vários ahadith que tornam esposas, praticamente, escravas de seus maridos, mas esses ahadith são pouco fiáveis e problemáticos, uma vez que eles ignoram os ensinamentos morais globais do islã. (Khaled Abou El Fadl, Falando em nome de Deus: Lei Islâmica, Autoridade e Mulheres, Oneworld Publications, Oxford, 2001, pp 62-82.).

Incluídos nestes relatórios estão: • ahadiths que dizem que, se o profeta pudesse permitir a prostração de um ser humano ante outro, ele teria permitido que uma mulher se prostrasse diante de seu marido (relatado por Abu Huraira em Tirmidhi, também há relatos semelhantes em Abu Dawud, Ibn Majah, Nasai, Musnad de Ahmad Ibn Hanbal e Ibn Hibban); • Um hadith dizendo que uma mulher não pode cumprir suas obrigações para com Deus, até que ela cumpra suas obrigações para com o seu marido (Ibn Majah); • Um hadith que diz que uma mulher não iria pagar o que seu marido faz por ela mesmo se lambesse uma úlcera excretando pus de seus pés para o topo da sua cabeça (Musnad); :3 • Um hadith que diz: "a mulher que morre, só entrará no céu se o seu marido está satisfeito com ela" (Abu Dawud, Tirmidhi, Ibn Majah, etc.); • Um hadith que diz: "se uma mulher reza cinco (vezes por dia), jejua no Ramadã, obedece a seu marido, e guarda a sua castidade, ela entrará no céu" (relatada por Anas b Malik e narrado por Ahmad b Hanbal, ibn.. Hibban e al-Tabari). • Um hadith que diz: "qualquer mulher que pede o marido em divórcio, sem ter sofrido privações, não entrará no céu" (Abu Dawud, Tirmidhi, Ibn Majah, etc.)

Com relação a estes ahadith, alguns dos comentários feitos por Abou El Fadl vale a citação: 

"A dificuldade com este gênero de tradições é que eles promovem uma obrigação formal de obediência aos maridos, ignorando todos os valores morais concorrentes ao islã. [...] Faz o prazer de Deus subordinado ao prazer do marido. [...], Além disso, estas tradições não são consistentes com a concepção corânica da relação conjugal. [...] A concepção corânica do casamento não é baseada na servidão, mas na compaixão e cooperação. A concepção corânica da virtude não está condicionada ao prazer de outro ser humano, mas sobre a piedade e obediência a Deus (Khaled Abou El Fadl, Falando em nome de Deus: Lei Islâmica, Autoridade e Mulheres, Publicações Oneworld, Oxford, 2001, pgn 72-76) [Estes relatórios são baseados em seus livros "Redescobrindo o Islã Genuíno ...", 2014 e "Explorando o Islã sob uma nova luz .... ", 2010]

Tradução: Pollyanna Meira

Nenhum comentário:

Postar um comentário