TRADUTOR/TRANSLATE

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Deus Não Prefere Uma Única Língua

Deus não prefere uma única língua, povo, costume, arquitetura ...

Eu faço um esforço enorme para entender essa treta de 'nomes islâmicos', 'arquitetura islâmica', e tantas outras paradas islâmicas, mas, só consigo colocar a palavra árabe ali, onde está 'islâmica' simplesmente não encaixa pra mim. É como dizer que Deus tem uma língua, uma arquitetura, casa/casas, e um único povo em especial, não engloba a humanidade em geral, e se quisermos fazer parte desse 'único povo de Deus', será quase impossível, mas podemos tentar arrancando fora nossos nomes, língua e cultura, assim, estará melhor aos olhos de Deus, pois 'Ele' decidiu que tudo que é árabe é sagrado e islâmico.

Repetindo acontecimentos do passado ...

“956. Cân. 9. Se alguém disser que o rito da Igreja Romana que prescreve que parte do Cânon e as palavras da consagração se profiram em voz submissa, se deve condenar, ou que a Missa se deve celebrar somente em língua vulgar, ou que não se deve lançar água no cálice ao oferecê-lo, por ser contra a instituição de Cristo —seja excomungado [cfr. n° 943, 945 s].”


"Alguns filhos da perdição, ansiosos por novidades para a perda das almas, chegaram a este cúmulo de audácia, de traduzir o missal romano para o francês, originalmente escrito em latim, seguindo o costume aprovado pela igreja há tantos séculos... Assim fazendo, eles tentaram, com temerário esforço, degradar os mais sagrados ritos, rebaixando a majestade que a língua latina os reveste, e expondo de forma vulgar a dignidade dos mistérios divinos" (Yves Daoudal, La liturgie enseignement sacré - Itinéraires, n° 263, mai 82).”


Curiosidade

Nós sabemos, ou alguns sabem, que Bukhari era persa de ascendência zoroastriana, e pode não ter conhecido a língua árabe. Isto é sugerido pela forma como Bukhari mudou os nomes de determinados versos. Isto, por si só, é um fenômeno estranho. Os próprios estudiosos não sabem por que Bukhari fez isso. Não árabes às vezes se referiam a um verso pelo seu primeiro versículo. Isso ocorria porque eles não conheciam o nome árabe para o verso, ou porque não eram estudiosos do Alcorão, ou simplesmente porque não eram árabes. Bukhari exibiu essas mesmas características: O verso An-Naba (78) foi rotulado como "Amma yatasa'alun", Isto é realmente parte do primeiro versículo do verso. Al Baiyina (verso 98) é rotulado como "Lam Yakun". Mais uma vez, o versículo inicial. Al Takwir (verso 81) é rotulado como "Idhash Shamsu Kuwirat". Este é, novamente, o início do primeiro versículo. Al Maarij (verso 70) é rotulado como "Sa'ala Sa'ilun". Essa rotulagem era dada pelos recitadores que não eram árabes, que não conheciam a língua árabe. Além do fato de que Bukhari era persa de Bokhara, e alguns estudiosos também acreditam que ele era cego desde sua juventude. Há também um Hadith que foi construído sobre a cegueira de Bukhari, por Ibn Kathir e Ibn Hajar al Asqalani sob a biografia de Bukhari - Muqadimah Fath al Bari.


Nenhum comentário:

Postar um comentário