TRADUTOR/TRANSLATE

sábado, 26 de setembro de 2015

Meca Tem Cheiro de Morte

Não tendo padrões próprios, também o animal de rebanho nietzschiano busca no grupo a sua referência. É herdeiro da “moral do escravo”, cujo valor para si mesmo “[...] era somente aquilo pelo qual era tido – jamais habituado a estabelecer valores por si mesmo, tampouco se atribuía outro valor que não o atribuído por seus senhores”. 

Marcado pela ausência de pensamento próprio, original, o homem de rebanho tem apenas ideias vulgares. Isto é, a linguagem só adquire consistência e comunicabilidade pela igualação do diferente  e, no processo de sua formação, empobrecimento e corrupção são consequências da necessidade:

[...] Supondo, então, que desde sempre a necessidade aproximou apenas aqueles que podiam, com sinais semelhantes, indicar vivências [e] necessidades semelhantes, daí resulta que em geral, entre todas as forças que até agora dispuseram do ser humano, a mais poderosa deve ter sido a fácil comunicabilidade
da necessidade, que é, em última instância, o experimentar vivências apenas medianas e vulgares.

Arendt compartilha a opinião de Nietzsche em parte: o vazio no pensamento e a busca de referenciais prontas na sociedade são marcas encontradas no homem de massas. Na total ausência do pensar, o homem encontra-se em completo desamparo (loneliness) – pois não desfruta nem mesmo de sua companhia.

Torna-se, assim, suscetível à menor força que o impila a qualquer direção.

                                                     ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Há dois dias foi noticiado centenas de mortes em meca (717 para ser mais exata e parece que 805 feridos segundo o G1) e muitos muçulmanos compartilharam indignação e dor pelas redes sociais. Eu, como uma muçulmana, que não acompanha a maioria das datas tradições dos estudiosos, pois sei que não fazem parte do Alcorão, fiquei triste com as mortes como todo mundo, é claro, aqui bate um coração. Mas não é nada novo vindas do lugar que vieram. Mortes fazem parte de Meca, sexismo faz parte de Meca, idolatria a pedra faz parte de Meca, leis cruéis fazem parte de Meca, a maioria dos estudiosos fundamentalistas/sexistas/misóginos aprendem seu b a ba em Meca. (Cerca de 70 bilhões de dólares são investidos anualmente para promover a intolerância religiosa e os movimentos radicais, próximos ao wahabismo.) 




Eu mesma já falei em outros momentos sobre Meca. Não acho que seja um lugar sagrado, não penso que as pessoas que morreram lá, só porque morreram lá, alcançaram o Jannah (paraíso) e na verdade penso ser um lugar deprimente e deplorável. Em todo o Alcorão Meca é citada apenas UMA VEZ em 48:24 "Ele foi Quem conteve as mãos deles, do mesmo modo como conteve as vossas mãos no centro de Meca, depois de vos ter feito prevalecer sobre eles; sabei que Deus bem vê tudo quanto fazeis." , como sendo um lugar onde o Profeta lutou contra seus inimigos. Como também já disse tantas outras que Meca, não foi o lugar onde foi erguida a Sagrada Mesquita, Deus é claro em dizer Beca, não Meca, duas palavras usadas no Alcorão que não significam o mesmo lugar. Veja o que Deus fala sobre Beca A primeira Casa (Sagrada), erigida para o Gênero humano, é a de Beca, onde reside a bênção servindo de orientação à humanidade. 3:96

(("Encerra sinais evidentes; lá está a Estância de Abraão, e quem quer que nela se refugie estará em segurança. A peregrinação à Casa é um dever para com Deus, por parte de todos os seres humanos, que estão em condições de empreendê-la; entretanto, quem se negar a isso saiba que Deus pode prescindir de toda a humanidade.")) 3:97  Veja mais Aqui

Portanto, é evidente, e claro, 1- Existem dois nomes no alcorão, 2- Não são os mesmos lugares, 3- E Beca é o lugar da Sagrada Mesquita, não Meca.



E também já disse em outras notas que hajj (segundo o Alcorão) não tem nenhuma semelhança com ir a Arábia circular uma pedra negra, que dizem que enxuga pecados. Não existe essa tal pedra no Alcorão, e se você olhar os versículos sobre o hajj mais de perto, em vez de só seguir o que o mestre (estudiosos) manda, você vai ver que hajj é sobre leis ambientais, a melhor época para caça e tudo mais referente a isso, todos os povos antigos praticavam o hajj! Veja mais Aqui e Aqui





Agora, voltando as histórias das mortes vamos a alguns números:

22 de janeiro de 1973: O Royal Jordanian Boeing 707 caiu em Kano, na Nigéria, matando 176 peregrinos que estavam retornando do Hajj.


04 de dezembro de 1974: Voo 138 caiu perto de Colombo, Sri Lanka, matando todas as 191 pessoas a bordo - 182 peregrinos indonésios do hajj com destino a Meca, e 9 membros da tripulação.


15 de novembro, 1978: 170 mortos voltando de Meca


26 de novembro de 1979: 156 mortos


19 de agosto de 1980: Todos os 287 passageiros e 14 tripulantes a bordo morreram



11 de julho de 1991: Todos os 247 peregrinos do Hajj e 14 membros da tripulação a bordo morreram. (isso apenas em voos) 

31 de julho de 1987: Um confronto entre manifestantes iranianos e as forças de segurança sauditas trouxe a morte de mais de 400 peregrinos e feriu outros milhares.

09 de julho de 1989: Duas bombas explodiram, matando um e ferindo outros 16. As autoridades sauditas executaram 16 kuwaitianos, muçulmanos xiitas, pelos atentados, após originalmente suspeitarem de agentes iranianos.

Dezembro 1975: Um cilindro de gás explodiu causando um incêndio em uma colônia de tendas resultando na morte de 200 peregrinos.

15 abr 1997: 343 peregrinos foram mortos e 1.500 ficaram feridos em um incêndio nas tendas ( As tendas são agora à prova de fogo ).

01 de novembro de 2011: Dois peregrinos, esposa e marido, morreram em um incêndio.

02 julho de 1990: Um tumulto dentro de um túnel de pedestres (túnel Al-Ma'aisim) que leva para fora de Meca, em direção a Mina e nas planícies de Arafat, levou à morte 1.426 peregrinos, muitos deles malaios, indonésios e paquistaneses.

23 de maio de 1994: Um tumulto matou pelo menos 270 peregrinos no ritual do apedrejamento do Diabo.

9 de abril de 1998: pelo menos 118 peregrinos foram pisoteados até a morte e 180 ficaram feridos em um incidente na Ponte Jamarat.

5 de março de 2001: 35 peregrinos foram pisoteados até a morte em um tumulto durante o ritual do apedrejamento do Diabo.

11 de fevereiro de 2003: 14 peregrinos.

01 de fevereiro de 2004:. 251 peregrinos foram mortos e outros 244 feridos

12 janeiro de 2006: Um tumulto durante o apedrejamento do Diabo, no último dia do Hajj, em Mina, matou pelo menos 346 peregrinos e feriu mais 289.

24 setembro de 2015: 717 peregrinos foram mortos e outros 805 feridos durante uma debandada no Hajj.

Há duas semanas um guindaste caiu sobre uma mesquita em Meca e matou 109 pessoas. 

"Ele jamais mudará as condições que concedeu a um povo, a menos que este mude o que tem em seu íntimo." 13:11

Melhoramentos foram feitos, mas mortes ainda ocorrem ... 

Sem contar as doenças e os acidentes automobilísticos ... 

Onde está o " onde reside a bênção ", "quem quer que nela se refugie estará em segurança" ?? além do que, todos esses rituais NÃO EXISTEM no Alcorão. 

"Beca não é Meca. Beca é a terra sagrada que começa a partir de Sidon Líbano (Norte) para deserto do Sinai (sul) e Petra Jordânia (leste) para o mar (oeste). Beca significa "a terra das bênçãos" (na Bíblia, a terra do leite e mel). a Kaba sagrada que Deus fala no Alcorão é o próprio Altar, se lermos mais fundo no Alcorão vamos descobrir qual é a verdadeira Kaba, Qibla não é Kaba, mas sim o caminho de Deus ou "Sirat el mustaqeem", "a senda reta."

Pronto! Por que tantas pessoas rezam viradas para um lugar que de santo não tem nada? Os muçulmanos estão unidos e são mais fortes por todos rezarem direcionados para um mesmo lugar em uma mesma língua, então, por que temos tantos conflitos, divergências e desunião? Meca merece ser a direção que tomamos para rezar a um Deus único? Deus quer que os muçulmanos peguem, beijem, ornamentem e girem em torno de uma pedra? Por que é tão difícil enxergar a realidade?

Arabia Saudita = Violação dos Direitos Humanos
Apenas um em milhares de exemplos 


Misha'al bint Fahd al Saud ,foi uma princesa saudita, membro da Casa de Saud. Misha'al foi executada a tiros como pena pelo crime de adultério em 1977, aos 19 anos de idade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário