TRADUTOR/TRANSLATE

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Privilégio e Espaços de Oração: Entrevista com Hind Makki do "Entrada Lateral"


Por Shireen
Tradução Pollyanna Meira

"Estou arejando a roupa suja, porque ela precisa ser lavada" - Hind Makki

"((Ó filhos de Adão)), revesti-vos de vosso melhor atavio quando fordes às mesquitas.." 7:31

Quantas vezes nós, como mulheres muçulmanas, ficamos entusiasmadas com um novo espaço para oração, ou uma nova mesquita, apenas para sermos desencorajadas logo após pela falta de alojamento, área ou a acessibilidade para as mulheres?



Quantas vezes fomos agradavelmente surpreendidas com salas bem iluminadas e convidativas, e com os espaços confortáveis para as mulheres?

Uma intrépida blogueira e defensora muçulmana, Hind Makki, quis examinar mais profundamente a questão dos espaços de oração das mulheres muçulmanas em mesquitas de todo o mundo. Seu blog Side Entrance é um fotoblog de masjids, musallahs e outros espaços de oração para as mulheres de todo o mundo. Muitas vezes esses espaços, acentuadamente, contrastam com aqueles atribuídos aos homens.





O comando da oração para os muçulmanos não é específico para um gênero. É universal. No entanto, as disparidades óbvias em espaços de oração são surpreendentes, mesmo no seio de comunidades ricas, e centros islâmicos bem estabelecidos.



Varanda das mulheres na Mesquita de Fetih! 
Absolutamente impressionante! 
Foto de Kate Bridges-Lyman, em Istambul, Turquia.

O blog de Hind não é o primeiro a discutir as desigualdades em espaços de oração. Anteriormente, houve outros blogs, artigos de diferentes perspectivas, matérias opinativas, e até mesmo um documentário da cineasta canadense Zarqa Nawaz sobre este assunto. Asra Nomani criou o Islamic Bill of Rights for Women in Mosques, em resposta a sua própria experiência em mesquitas americanas.

Mas a ideia de Hind para incluir e aceitar fotos/palavras de outras muçulmanas, promove a inclusão e aumenta a discussão. Ela permite que as mulheres capturem o momento e seu meio ambiente, que ilustrem os desafios e exprimam as suas preocupações em relação às mesquitas. Acima de tudo, permite que todas participem com comentários no MMP (privilégio do homem muçulmano) que incluí todas em uma discussão maior.





Em Jacarta Masjid al Ikhlas, as mulheres e os homens utilizam 
entradas separadas, mas rezam na mesma sala dividida por uma divisória. Estas imagens foram enviadas por M. Reza Krisnaperdana da Indonésia.

Seu blog tem sido destaque no Huffington Post, e seu trabalho tem sido elogiado por outras mulheres muçulmanas como "uma iniciativa muito necessária".

Esta é uma responsabilidade que ela leva muito a sério, apesar de algumas reações, Side Entrance tem, afinal, recebido seu quinhão de críticas; nomeadamente aqueles que acusam Hind de arejar a "roupa suja".

Eu a entrevistei recentemente, e fiz perguntas sobre os lençóis das nossas comunidades, suas respostas às críticas, e suas idéias em torno deste projeto inspirador.

SA: Entrada Lateral foi saudado como um passo positivo, não só destacando a necessidade do espaço de oração das mulheres muçulmanas, mas para abordar MMP (privilégio do homem muçulmano) na narrativa sobre questões sobre espaço. Você acha que foi acidental?

HM: Não, eu sempre quis catalisar uma discussão sobre o privilégio dos homens muçulmanos. Antes de eu começar oficialmente o Entrada Lateral, lembro de ter postado uma foto no Facebook de um pequeno espaço para oração em uma mesquita, e muitos amigos meus ficaram chocados que essa tenha sido a minha experiência. Percebi que muitos homens muçulmanos estão prontos para serem aliados; no entanto, eles normalmente não sabem quão ruim alguns destes espaços são. Quando eles descobrem, muitas vezes ficam surpreendidos e consternados com os espaços das mulheres, e querem fazer algo para corrigir esse problema. A coisa sobre o privilégio é que os que são privilegiados raramente sabem que são. Então, Entrada Lateral é uma forma de abrir a discussão com os homens também.


Mulheres e homens orando tarawih nas mesmas filas 
de oração divididas por estantes e divisórias na Masjid At-tin em 
Jacarta, Indonésia. Fotos apresentados por M. Reza Krisnaperdana.

SA: Por que você decidiu fazer uma campanha global ao invés de local? Quais são as vantagens e desvantagens de incluir mesquitas de todo o mundo?

HM: Essa é uma boa pergunta. Eu vivo e trabalho no Ocidente, então, estou ocupada com o papel das mesquitas no Ocidente, como no desenvolvimento e manutenção das comunidades muçulmanas, principalmente na América do Norte. Mesquitas do mundo tradicional muçulmano não têm desempenhado o mesmo papel na sustentação da identidade muçulmana, então, eu diria que é profundamente crítico para mesquitas ocidentais, serem acolhedoras, e atender mulheres e crianças. Normalmente, as fotos de mesquitas que recebo do mundo muçulmano tradicional são tradicionalmente concebidas pelo financiamento do governo, com espaços para as mulheres que só poderíamos ter em sonhos aqui no Ocidente. Isso provavelmente ocorre porque são as mesquitas do governo, onde são frequentemente visitadas por turistas. Recebendo fotos de todo o mundo muçulmano vejo a diversidade - existem alguns países onde as mulheres nunca são permitidas em uma mesquita; outras onde têm as mulheres literalmente elevadas em uma varanda/mezanino, outras em que as mulheres estão no mesmo espaço físico que os homens - isso é como a segregação de gênero é vista por diferentes culturas muçulmanas. 


Mulheres e Homens orando tarawih nas mesmas filas 
de Oração divididas por estantes e divisórias em Masjid At-tin 
em Jacarta, Indonésia. Fotos apresentadas por M. Reza Krisnaperdana.

SA: Seu projeto tem sido criticado por "arejar a roupa suja". Como você responde quem acusa Side Entrance de desserviço?

HM: Eu estou arejando a roupa suja, porque ela precisa ser lavada :) Entrada Lateral não está causando um desserviço ao Islã; mesquitas que são projetadas para as mulheres se sentirem inferiores e indesejáveis é que estão causando o desserviço. Recebi tantas notas privadas de mulheres - especialmente convertidas e mulheres jovens - que não se identificam com sua comunidade muçulmana local, ou não participam mais das mesquitas porque elas se sentem indesejadas em espaços religiosos. A mesquita desempenha um papel importante em comunidades muçulmanas ocidentais - é a cola que nos mantêm juntos; ensinando sobre o Islã, proporcionando um espaço para os muçulmanos, e para a vida com o outro. Se mesquitas negligenciam as necessidades das mulheres para priorizar as necessidades dos homens, então, elas estão sendo hostis com as mulheres por completo, o que leva as mulheres a deixarem de frequentar, isso sim é o maior desserviço à nossa bela fé, então preciso publicar algumas fotos negativas, para catalisar uma discussão online sobre os espaços que as mulheres ocupam em nossas mesquitas.

SA: Algumas outras mulheres têm escrito e articulada sobre projetos semelhantes (por exemplo, Muslim Matters depois chamado The Box Penalty, e o documentário de Zarqa Nawaz Me and the Mosque). Outros ativistas já estenderam a mão para você levar este projeto a um outro nível?



HM: Sim, muitas líderes têm me estendido a mão, o que é extremamente despretensioso. Além disso, muitos professores entraram em contato porque eles realmente querem incorporar Entrada Lateral em seus currículos. Tenho me conectado com a arquiteta Maryam Eskandari do Projeto Miim, e vários outros líderes surpreendentes para desenvolver uma conferência mista em termos de gênero, e inshallah um movimento que examine os espaços - físicos e outros - que as mulheres ocupam nas organizações, mesquitas, estruturas de liderança muçulmanas e comunidades na América do Norte. Assista a este espaço!


As mulheres e os homens utilizam a mesma entrada e rezam 
na mesma sala na Masjid Raya Pondok Indah, em Jacarta, Indonésia, e 
oram no térreo quando o espaço principal fica cheio. 
Estas fotos, da oração tarawih, foram apresentadas por Reza Krisnaperdana.

SA: Quantas apresentações (fotos, opiniões) você recebeu até agora? Há algum que você não incluiu? E porque?

HM: Eu já recebi cerca de 450 até agora, via e-mail, Tumblr e Facebook. Só não inclui fotos que não foram tiradas por quem enviou - aquelas que foram, obviamente, tiradas da internet. Entrada Lateral é um projeto gerado pelo usuário, que tem o objetivo de mostrar experiências derdadeiras de mulheres e homens em mesquitas, e não para mostrar fotos de mesquitas bonitas que alguém pegou na internet. Além disso, se a foto é claramente negativa, eu checo com a pessoa que a enviou, para me certificar de que ela realmente quer o seu nome e o nome da mesquita divulgado.


Foto apresentada por Usayd

SA: Quais são as suas esperanças para Entrada Lateral?

HM: O projeto não é para envergonhar os líderes das mesquitas, mas para catalisar uma discussão e trabalhar em direção à mudança. Então, eu espero que a conversa comece madura e orientada para objetivos. A mistura de gêneros é vista como um triunfo para a comunidade muçulmana, considerando que também destaca experiências e opiniões das mulheres dentro da própria comunidade. Dentro de minha lista de desejos estão: 1) O fundo comunitário para mesquitas americanas, que têm razões orçamentais para negligenciar os espaços das mulheres 2) A publicação de um estudo sobre os espaços das mulheres - com recomendações - das mesquitas de NA, tendo em conta a geografia, orçamentos, etnia e ideologia 3) Construir uma duradoura e positiva conversa onde todos nós, independente do gênero, possamos falar sobre gênero e liderança das mesquitas em NA 4) Que Entrada Lateral cresça!

SA: Alguém te enviou alguma foto que tenha se tornado a sua favorita? Em caso afirmativo, qual?

HM: Eu não posso escolher apenas uma! Todas as fotos são significativas para mim de maneiras diferentes. Neste Ramadan, recebi uma série de apresentações de várias mesquitas da África do Sul, que são verdadeiramente impressionantes na beleza e diversidade de suas congregações. Eu também recebi recentemente fotos de algumas mesquitas na Argentina, incluindo uma que foi construída em 1933, muito simples, mas, obviamente, muito amada por sua congregação - onde homens e mulheres rezam na mesma pequena musalla. Suponho que se eu pudesse, escolheria a foto que minha amiga Feda Jarad me enviou, a que ela estava orando no Domo da Rocha.


Uma mulher reza no Domo da Rocha. 
Foto fornecida por Hind Makki.

Aqui está o que ela escreveu sobre isso:

"No Domo da Rocha, em Jerusalém, 95% do que é reservado é ocupado por mulheres. Quase sempre as mulheres estão lá, não importa a hora. Há apenas uma seção pequena para os homens; que fica atrás de uma porta designada. Os homens podem andar em torno do Dome para as escadas que levam para a área sob a rocha, que se acredita que o Profeta (S) rezou antes de sua ascensão ao céu. Esta é a única área de oração «mista» no Dome. Mas o pessoal da segurança voluntária é muito rigoroso com o movimento dos homens no Dome porque, literalmente, há sempre mulheres que dormem lá, e as mulheres estão confortáveis ​​nesta área. Lembre-se, é realmente difícil chegar a Aqsa pela média palestina, por isso há pessoas que vão passar o dia inteiro ou um par de dias lá. Eles não querem que a cúpula fique sem homens, no caso de haver uma emergência, no entanto, é muito fácil para o Exército de Israel bloquear os caminhos de acesso ao Dome, paralisar a área do composto e isolar a Cúpula do Aqsa."

Como uma admiradora desse projeto destemido e importante de Hind Makki, não estou interessada apenas na resposta das masjids e do concelho, mas também na discussão que surge a partir disso.

Estou ansiosa pelas suas colaborações e para ver reformas não só no sentido físico e estrutural, mas mudanças na mentalidade que cerca todas as entradas e oportunidades para as mulheres muçulmanas.

Hind Makki




Você pode ver mais fotos do projeto Aqui
Como também pode ver o doc. de Zarqa Nawaz Me and the Mosque Aqui


Nenhum comentário:

Postar um comentário