TRADUTOR/TRANSLATE

sábado, 9 de abril de 2016

Carta Aberta aos Homens (Muçulmanos)

 “Os deuses sempre vão sorrir para mulheres corajosas.”

Do original: "An open letter to Muslim men from an angry Muslim woman" De: Hiba Khan
Tradução: Pollyanna Meira
Figuras acrescentadas por mim via google

"Eu reconheço a ironia do fato de que a primeira universidade do mundo foi fundada por uma mulher muçulmana, mas, ainda hoje, a muitas mulheres é negado o direito à educação. Que o profeta Muhammad lutou a cavalo ao lado de uma mulher, e ainda agora, muitas mulheres são instruídas a permanecerem em suas casas, e a elas, é negado o direito de conduzir."



Queridos Muçulman(O)s

Lembro, como se fosse hoje, do dia em que minha mãe foi avisada que sua vida estava em perigo. Seu direito de existência na terra foi subitamente questionado após decidir que estava exausta. Exausta por todas as irmãs, mães, filhas, mulheres, que tiveram a infelicidade de ter nascido com um cromossomo X em vez de um Y.

Quais foram suas exigências? Apenas um espaço para rezar na mesquita. Apesar de saber que estava se arriscando, ela manteve sua posição para reivindicar o que foi arrancado de nós. Isso não aconteceu em uma terra distante, mas aqui no Reino Unido, e o crime hediondo que minha mãe cometeu, que levou a uma resposta tão selvagem? Foi por apenas solicitar os seus direitos que foram dados por Deus.



Ela deveria ter sido inteligente o suficiente para saber que não deveria pedir algo que pudesse ameaçar o pedestal imponente, cuidadosamente construído, religiosamente disfarçado, que embalou o ego masculino durante séculos. O desejo ultrajante de rezar em uma mesquita, que só tem recebido os homens desde a sua criação, representa valores, longe de islâmicos, para esses chauvinistas.


Representação de Nusaybah bint Ka'ab nas telinhas

Nós participamos de um encontro em uma mesquita, que foi anunciado como "aberto ao público", e fomos abusivamente silenciadas assim que minha mãe tentou fazer uma contribuição. Ninguém tinha nos informado que "público" não incluía as mulheres.

Após o envolvimento da polícia, nos proporcionaram, relutantes, um pequeno lugar para rezar, porém, as táticas de intimidação estavam se tornando cada vez mais patéticas. Suspiros, negativas com a cabeça, e comentários sarcásticos nos seguiam por todo lugar. Começamos a nos sentir inseguras.


Chandi Bibi, guerreira muçulmana

E este não é um incidente isolado. Quando certos conselheiros do Trabalho Muçulmano foram acusados de, sistematicamente e calculadamente, bloquear mulheres muçulmanas de se tornarem membros do parlamento, não fiquei surpreendida. Eu não estava surpresa também com outro resultado, além da hostilidade implacável, quando abriram uma mesquita, liderada apenas por mulheres, em Bradford.

Não há nenhuma ilegitimidade religiosa aqui. Abrir espaço para as mulheres muçulmanas não é anti-islâmico. E eu não vou ser empurrada para longe da minha religião por conta de homens sexistas na comunidade muçulmana.


Amina Sukhera, também conhecida como Aminatu, foi uma princesa muçulmana & também guerreira do século 16, cuja liderança militar foi responsável pela conquista de grande parte do terreno circundante de Zazzau, no atual norte da Nigéria, para a sua própria casa real.

Em vez disso, estou cada vez mais atraída para minha fé. Eu reconheço a ironia do fato de que a primeira universidade do mundo foi fundada por uma mulher muçulmana, mas, ainda hoje, a muitas mulheres é negado o direito à educação. Que o profeta Muhammad lutou a cavalo ao lado de uma mulher, e ainda agora, muitas mulheres são instruídas a permanecerem em suas casas, e a elas é negado o direito de conduzir. Que, em Meca, na "casa de Deus", eu ando e adoro a Deus de mãos dadas com meu marido, enquanto que nas mesquitas do Reino Unido me negam a entrada. Que a maioria, das 5.000 conversões anuais dos britânicos ao Islã, é de mulheres, porque elas veem o Alcorão afirmando a igualdade de gêneros, e trazendo uma libertação mais profunda - mesmo com a marca do chamado islamismo, governado por chauvinistas, nos oprimindo.

Somos simplesmente intelectuais, espirituais e socialmente iguais aos homens, e reconhecemos a imensidão do paradoxo que alguns de vocês continuam a propagar. Apesar de suas tentativas fervorosas em usar erros de tradução, erros de interpretação da Escritura e tradição para satisfazer os seus desejos, não acreditamos em vocês. Não precisamos nos tornar fortes, precisamos ser reconhecidas pelas diferentes formas de forças que já temos.


Sayyida al Hurra, rainha muçulmana que comandou o famoso
grupo pirata barbarossa

No fim, essa é a mesma injustiça que grupos como ISIS propagam. E para aqueles de vocês, que não participam ativamente desta injustiça contra as mulheres, mas são omissos, permanecendo cúmplices do acorrentando mesmo que seja de apenas uma mulher, então, vocês estão acorrentando todas nós. Como pode uma sociedade progredir, se metade dela está presa?

Estamos desesperadas para acabar como o domínio paralisante da combinação letal do ego masculino e da inércia cultural, para desembaraçar essa bagunça, e viver como a nossa fé verdadeiramente nos diz para viver, aliviadas assim de nossa exaustão.


Khawlah bint al-Azwar, heroína muçulmana

Em última análise, precisamos de vocês para nos ajudar a recuperar o Islã.

Até toda a sociedade aprender a respeitar a metade da sociedade que traz à vida todos os HOMENS e mulheres, os seres humanos continuarão aleijados, e nossos males sociais não poderão ser curados. Estamos sofrendo. Estamos exaustas. Mas eu tenho esperança.


Razia, sultana da Índia

Porque, como diz Al Ghosaibi, "quando uma ferida está cansada de chorar, ela começa a cantar".

Homens muçulmanos, vocês nos devem nossos direitos - o Alcorão diz isso! Não se esqueça disso!

Atenciosamente,

Uma Mulher Muçulmana

5 comentários:

  1. Amei! Muito obrigada por dividir textos tão maravilhosos como esse. Que Allah continue te dando saúde e disposição para cantar!

    ResponderExcluir
  2. E com qual moral você, uma MUÇULMANA, fala isso tudo? Não existe feminismo no Islã.

    Maomé disse que a mulher deve OBEDECER ao marido; caso não obedeça, pode ser castigada,e o castigo chega até a violência ("simbólica", diriam os apologistas, como se isso limpasse a essência misógina por trás de tal ato. O HOMEM manda e castiga, a mulher obedece e é castiga, nunca o contrário).
    Homens podem casar-se com até 4 mulheres (Maomé podia ter ainda mais que isso, obvio) e aia continuar a ter relações sexuais com todas as suas escravas sexuais; mulheres só podem ter 1 marido por vez e não podem ter relações sexuais, em mesmo uns amassinhos, com qualquer escravo. E para divorciarem-se precisam do CONSENTIMENTO DO MARIDO.
    Disse que o testemunho da mulher vale metade que o de um homem e que a mulher tem deficiência mental. Também disse que a maioria das pessoas no inferno serão mulheres, pois não "obedecem" aos maridos.
    Disse que a mulher não pode dizer não ao sexo com o marido "sem motivos"; de fato, ele nunca sequer falou contra o estupro praticado pelo marido contra a(s) esposa(s) ou escravas sexuais (sim, escravidão é permitido no Islã e escravas sexuais eram de praxe).
    Disse que o homem pode fazer, sexualmente, o que quiser e quando quiser com qualquer mulher que ele POSSUI. Sem contar que nisso inclui não somente as esposas mas também as escravas sexuais - o que Maomé PERMITIU existir; ele mesmo tinha concubinas. Escravas não podem consentir sexualmente por estarem em uma posição submissa, logo isso é estupro explícito.
    Maomé casou-se com algumas mulheres logo após matar seus maridos. Aposto que esses casamentos eram totalmente "consentidos", né? Ah, o casamento com uma menina de 6 anos também… ela consentiu, com absoluta certeza!

    Como alguém pode se dizer feminista e adorar a um homem misógino e estuprador? Cruel com as mulheres?
    Por favor, reveja sua própria crença! Assim como nós ex-muçulmanos homossexuais DEVEMOS fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tooodos estes temas abordados por você no comentário, já foram também abordados no blog, sugiro que comece por "o mito da obediência feminina" .... agora, o feminismo existe dentro do islam, sempre existiu, é urgente e necessário, leia também "mulheres que todos deveriam conhecer" lá dou alguns exemplos de muçulmanas feministas. abs

      Excluir