TRADUTOR/TRANSLATE

quinta-feira, 2 de junho de 2016

O que Temos a Falar Sobre Estupro

O que temos a falar sobre estupro? O que dizem as seitas? O que diz a lei sharia? O que acontece ou já aconteceu em países de maioria muçulmana? O que xs feministas muçulmanxs, que seguem o Alcorão sozinho, têm a dizer sobre isso? Vamos lá.



Todos nós sabemos que a maioria muçulmana não segue apenas o Alcorão como fonte de sua fé e leis. A maioria segue fontes extracorânicas, livros escritos por estudiosos que viveram mais de 200 anos após a morte do Profeta Muhammad. Estes livros, mesmo contendo passagens bonitas e elevadas, são proibidos pelo Alcorão, pois o Alcorão se diz totalmente detalhado, onde nada foi ocultado, com explicações para tudo, explicado em detalhes, que a mensagem chegou ao fim com o término do Alcorão, que Deus irá preservar apenas o Alcorão e que pessoas que seguem outras fontes, além do Alcorão, são consideradas Kuffar, ou seja, ingratos (não significa descrentes, como grande parte acredita), ufa!. Olha só como não preciso utilizar hadiths contraditórios e absurdos para mostrar o meu ponto de vista, apenas o Quran já é suficiente.



Apesar disso tudo, a maioria insiste que outros livros devem ser seguidos, que estudiosos devem ser ouvidos, e que esses estudiosos, que coletaram boatos no estilo telefone sem fio, devem ser levados em consideração, apenas porque >eles< disseram em seus livros, assinados por eles, que o profeta disse isso ou aquilo. Bem, eu não sou proselitista, nem estou aqui para encaminhar marmanjos, cada um sabe de si, mas fico INDIGNADA quando vejo pessoas que seguem tais cultos e seitas dentro do islã dizendo: "minha religião não aceita estupro", "precisamos discutir gênero", "sou feminista", heim? Como assim?

Eu já fiz muitas contas em meu blog, mas os resultados nunca batem. Como você pode dizer que é feminista, e querer discutir igualdade entre os gêneros, se não concorda com muçulmanas em papel de liderança? Como pode uma muçulmana ser feminista e não conhecer ao menos algumas estudiosas e feministas que temos dentro do islã? Não conhece a luta delas, não fala sobre elas, denigre e ataca nossa página no Brasil. Como você pode se dizer contra o estupro, ficar aí pregando em seu perfil "muçulmanxs contra a cultura do estupro", se você não dá a mínima para o que outras muçulmanas passam? Se você não faz a mínima ideia do que que a sharia e a alegada sunna do profeta, que você segue, prega em nome do Islã? Você é feminista, sim, mas não sabe o que é feminismo!
"eu sou feminista, porém não acho relevante para a nossa umma, o assunto que trata sobre as mulheres liderando orações", ué mil vezes! Eu já ouvi isso!
Ou estou ficando paranoica 💊 ou existe alguma coisa muito estranha aqui 💊



Mais uma vez vou dizer, tirando minha página que é composta por 4 administradores, seguida por meia dúzia de muçulmanxs -e olhe lá- que concordam com nossos posts, não existe tal coisa no Brasil, repito, não existe tal coisa! Eu sei, quem administra a página do Facebook também sabe. Não temos apoio, nossa comunidade brasileira NÃO quer tocar nesses assuntos. Várias vezes fomos agredidos e rechaçados por dizer que mulheres têm os mesmos direitos, por discutir sobre a homossexualidade, dentre tantos outros assuntos. Se você duvida, confira por si mesmx.



Agora, querem aproveitar, sim sim, aproveitar, que todo o Brasil está comovido com tantos assuntos relacionados à mulher para se promoverem? Qualé!

Eu não estou aqui para agradar ninguém, se vejo que algo está errado, falo mesmo, não é à toa que sou tão solitária, excesso de verdades mantém pessoas distantes... fo#*@! dsc

Bom, vamos ver o que os livros, que a maioria segue além do Alcorão, dizem:

Ao final da Ghazwa (incursão militar comandada por "Muhammad") contra a (rica) tribo dos Banu Al-Mustaliq, Muhammad viu seus seguidores estuprando as prisioneiras, fazendo coitus interruptus. Ao ver aquilo, ele perguntou por que eles estavam agindo daquela maneira. Os seus seguidores disseram que eles não queriam que as prisioneiras engravidassem, pois isso reduziria o valor delas no Mercado de Escravos. Muhammad, então, brigou com os seus seguidores dizendo que era besteira ejacular fora da vagina, pois se for o desejo de Allah, as prisioneiras ficariam grávidas independente de onde a ejaculação ocorresse. <=== isso está na alegada sunna que FALSAMENTE atribuem ao Profeta Muhammad.

"Você envergonhou sua família!" "Vá embora e nunca mais volte!"

Como já falei muitas outras vezes sobre isso aqui no blog, vou deixar 
alguns links para que tirem suas próprias conclusões. 

Primeiro, vamos falar sobre algumas histórias bem conhecidas no meio muçulmano, que são as histórias de (clique aqui  ==> Juwairiya, Safiyah e Rayhanah

Vocês podem ler também este post falando (clique aqui ===> Como a Lei Sharia Castiga Mulheres Estupradas, e este dizendo (clique aqui ===> Por que os dados sobre estupro nos países de maioria muçulmana são tão baixos?



Fora que, quando casadas, mulheres não podem negar sexo ao seus maridos, ou os anjos vão amaldiçoá-las até a manhã do outro dia. (hadith)

No Islã dos estudiosos, as mulheres são objetos, não sujeitos. Fisicamente, seus corpos inteiros, menos rostos e mãos, são considerados awrah, uma palavra árabe que significa nudez, então, se uma mulher for estuprada ou agredida, a culpa é dela, toda a responsabilidade de controlar os impulsos do homem recai sobre a mulher. Veja o que disse o estudioso (clique aqui  ==> SheikTaj Din al-Hilali. Isso é o que alega a maioria dos estudiosos, quando dizem que a mulher não pode liderar a oração, pois os homens podem olhar para a bunda dela e não ter controle e "organização" na hora da oração. Ué?? Esqueceram que o Alcorão manda o homem baixar seu olhar e conservar seus pudores? 


Se para mais de 60% dos brasileiros a culpa é da roupa, dentre tantas outras culpas que tentam colocar sobre a vítima, para o islã ahadithico das seitas não é diferente, a culpa é da roupa, do cabelo ... enfim.

O Alcorão, ao contrário de tais livros, não prega esses absurdos. A história do Profeta Lot é também sobre estupro, mas querem dizer que é sobre homossexualidade. Agora, vai falar para a maioria que eles precisam abandonar a "sunnah do Profeta", i.e., opinião de estudiosos .... Todas as seitas "islâmicas" têm seu quinhão de barbárie, afinal, se os cabelos das mulheres emitem raios que corrompem e enlouquecem os homens, e a mulher que não se veste modestamente pode até causar terremotos, imagina se não são as culpadas quando estupradas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário