TRADUTOR/TRANSLATE

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Odeio Ser Mãe

Odeio ser mãe. Odeio pelo simples fato de ter sofrido em cada gestação, por todos os enjoos, o excesso de peso, as dores, o corpo murcho, a solidão... Odeio por ter passado noites acordada e nunca mais, após ter sido mãe, saber o que é realmente significa dormir. Odeio por todos os choros intermináveis que tive que escutar sem reclamar; todas as fraldas de coco e xixi que tive que trocar (e muitas que lavar); todas as doenças dos meus filhos que tive que tratar, e sofrer e sofrer. Odeio toda a dificuldade que tive que passar, toda vez que tive que deixar de comer para não faltar para os meus filhos, tudo o que quis dar para eles, mas não tive condições, toda a roupa, sapato, unha, cabelo, vaidade que tive de abandonar. Odeio por toda vez que tive de implorar a ajuda da minha avó, e toda AJUDA que tive que receber dela. Não posso trabalhar, tenho que trabalhar. Não posso deixar eles sozinhos em casa, tenho que deixá-los sozinho? Babá que maltrata. Tristeza, solidão. Odeio os intermináveis anos atrás de advogado, para que o pai, cumprisse o mínimo, que é uma pensão de 280,00 reais. Odeio por todas as viagens que não pude ir; toda vida que deixei de viver, todos os sonhos que tive de abandonar, todos os cursos que deixei de fazer, livros que deixei de ler, amigos que tive de abandonar ... Odeio ser mãe. Odeio pelos intermináveis anos ensinando, educando, dando exemplos, mas mesmo assim, em sua maioria, foram anos em vão. Odeio por todas as tarefas que tive de ensinar, e todas as birras que tive de aguentar, de filhos que não querem aprender. Odeio por toda a comida que não querem comer, as palmadas que não posso dar. "Você pega muito leve", "Você pega muito pesado", "você é a culpada de estarem assim", "você deveria ter esperado mais para ter filhos", "nossa, como você está nervosa", "ninguém mandou ter filhos" ... Odeio ser mãe. Odeio porque tudo é minha culpa, mesmo que eu faça tanto, tanto, tanto, e por tantos anos, tudo que eles fazem de ruim é minha culpa. Ninguém te dá valor - "você adora dá uma de vítima" -  Odeio ser mãe quando me chamam na escola para reclamar e sabatinar. Odeio quando não me obedecem, não me ouvem, sujam toda minha casa, reclamam e reclamam, quebram tudo que é meu. Odeio quando amo, faço o bem, e mesmo assim vivo uma violência psicológica constante dentro de casa. Odeio ser mãe, porque por mais que eu lave, compre, eduque, dê exemplos, sofra, ame, nunca é suficiente quando se é mãe. "você é uma péssima mãe". Eu sou uma péssima mãe! Odeio me sentir culpada a cada segundo do dia, odeio esse sentimento de culpa que nunca me abandona. Odeio ser mãe em uma sociedade que joga toda a culpa, todas as dores, todas as obrigações e responsabilidades em cima da mulher.  Odeio ser "pãe", porque ter que fazer tudo sozinha não é fácil. Jornada tripla não é culpa do feminismo! Querer viver e não poder não é fácil. Vê os anos passando e sua vida indo embora, presa em uma situação, não é fácil. Chorar sozinha não é fácil. Fingir que está tudo bem não é fácil. Os filhos crescem ... o trabalho dobra ... alguns são bons, outros nem tanto. A vida está passando. Lute! Eu não posso me sentir cansada ou triste. Tanta coisa que eu ainda queria fazer. Eu não posso sair. Eu não posso fugir. Odeio ser mãe. Odeio a minha mãe. 



Um comentário:

  1. Olá! Gostaria muito de entrevistá-la para uma matéria da minha faculdade. Em que e-mail ou telefone posso entrar em contato? Meu e-mail é isabbelagadelha@gmail.com.
    Abs!

    ResponderExcluir