TRADUTOR/TRANSLATE

sexta-feira, 24 de março de 2017

NÃO HÁ TAL COISA COMO ABATE/CONSUMO DE CARNE HALAL

"Tolstói, o afamado romancista russo, certa feita visitou um matadouro. A forte impressão que lhe trouxe a singular experiência tornou-o convicto de que a abstinência da carne é o primeiro passo rumo a uma vida pacífica. E com a célebre frase “enquanto houver matadouros, haverá campos de guerra”, o autor alertou o mundo de que não há espaço para a paz enquanto for aceitável o uso de métodos violentos para sustentar a primazia do interesse dos mais fortes." (3)

As Cinco Liberdades de bem-estar animal:

- Livre de sede, fome e má-nutrição;
- Livre de desconforto;
- Livre de dor, injúria e doença;
- Livre para expressar seu comportamento normal;
- Livre de medo e de estresse (estresse negativo, intenso, causa de sofrimento)



 A criação bovina (ou de qualquer outro animal), o manejo de pastagens, e a captura de animais para alimentação em larga escala, causam grandes impactos negativos ao meio ambiente, danos aos animais e a nós mesmos, tais como:

* A pecuária é uma das maiores contribuintes para os problemas ambientais, incluindo mudanças climáticas, poluição do ar, poluição e esgotamento da água, degradação do solo e perda de biodiversidade.

* Contaminação das águas com dejetos animais, fertilizantes e pesticidas usados no cultivo de rações, além do assoreamento causado pelas pastagens degradadas.

* A pecuária também é responsável pelo consumo de cerca de 8% da água do planeta, sendo que a maior parte é destinada à irrigação de culturas de ração.

* A pecuária intensiva é praticada utilizando recursos tecnológicos avançados, como gado confinado, reprodução através de inseminação artificial, controle via satélite, entre outros. Esses recursos causam baixos níveis de bem-estar animal, mudanças climáticas, escassez de recursos naturais e poluição do solo, água e ar. O sistema extensivo, principal meio de produção no Brasil, contudo, acarreta efeitos ainda piores. Por ser desenvolvido em grandes extensões de terras, com gado solto e sem grandes aplicações de recursos tecnológicos, pode gerar a destruição de ecossistemas ambientais, a degradação do solo e a poluição dos recursos hídricos.

* Outro efeito da criação bovina sobre o ambiente é a emissão de 35% a 40% de metano, que é 21 vezes mais prejudicial que o gás carbônico.

* A pecuária, além de causar todos esses problemas ao meio ambiente, é também a principal responsável pelo desmatamento da Floresta Amazônica, já que 75% da área desmatada na Amazônia Legal é ocupada por essa atividade. (1)

* Dados oficiais da ONU que informam que a agricultura animal tem emissões de gases superiores a todo o setor de transportes (carros, caminhões, trens, navios e aviões).

* O cultivo de grãos consumidos pelos animais demandam de muita água - esse montante, somado ao consumo direto dos bichos representa faixas de consumo de água de 34-76 trilhões de litros por ano. 

* Se pensarmos diretamente no consumo final, na pegada hídrica dos alimentos, deparamos-nos com dados não menos alarmantes: 2,5 mil litros de água são necessários para produzir 1 libra (equivalente a mais ou menos 0,45 kg) de carne; 477 litros de água são necessários para produzir 1 libra de ovos; em média 900 litros de água por libra de queijo e mil litros de água para produzir um galão de leite (equivalente a 3,785 litros).

Quem se torna vegetariano ou vegano economiza água de maneira significativa: para se produzir um quilo de soja, são gastos 500 litros de água, enquanto para um quilo de carne bovina, são necessários 15 mil litros do líquido.

* Um terço da terra livre de gelo presente no globo é utilizada para criação de gado ou alimento para o gado. 

* Outro estudo aponta que os números são ainda maiores. Estudos demonstram que 91% da devastação da Amazônia se deve à produção agropecuária, entre pastagens e cultivo de grãos para a alimentação dos ruminantes.

* Em nosso país, os ruralistas têm grande poder de intimidação, o que resulta em uma fiscalização ineficiente do desmatamento. Nos últimos 20 anos, mais de mil ativistas rurais foram mortos no Brasil. 

A produção de alimentos vegetais exige muito menos espaço de terra do que a produção de alimentos de origem animal. Por exemplo, em um hectare de terra é possível plantar 42 mil a 50 mil pés de tomate ou produzir apenas uma média de 81,66 Kg de carne bovina por ano. Assim, a alimentação vegetariana estrita estimula a diminuição do desmatamento.


video
Sistema de Atordoamento realizado antes do Abate "Halal" no Brasil

* Existem projeções que indicam que em 2048 não haverá mais peixes comestíveis no mar. Em média 90-100 milhões de toneladas de peixe são extraídas de nossos oceanos a cada ano.  Para cada 0,45 quilo de peixe capturado, até 1,81 quilos de espécies marinhas não intencionais são capturadas e descartadas.

* Os EUA sozinho poderiam alimentar 800 milhões de pessoas com grãos que o gado consome.

* Agricultura animal é a principal causa da extinção de espécies, zonas mortas nos oceanos, poluição da água e destruição de habitats. Agricultura animal contribui para a extinção de espécies de muitas maneiras. Além da destruição do habitat causado pelo desmatamento de florestas e conversão da terra para o cultivo de alimentos para animais e para o pastejo dos animais, predadores e espécies de "concorrência" são caçados por causa de uma ameaça ao gado e aos lucros que eles proporcionam. O uso disseminado de pesticidas, herbicidas e fertilizantes químicos utilizados na produção de culturas para alimentação animal interfere nos sistemas de reprodução dos animais e na saúde do consumidor final. A exploração excessiva de espécies selvagens por meio da pesca comercial, do comércio da carne de caça, bem como o impacto da agricultura animal sobre as alterações climáticas... Todos contribuem para o esgotamento global das espécies e recursos. (2)

* Um dos pilares mais estratégicos do sistema intensivo é a alta densidade, pois reduzir o espaço destinado aos animais significa eliminar custos com o manejo e viabilizar o controle sanitário, higiênico, de temperatura, entre outros. A criação de aves de corte, tais como frangos e perus, em granjas industriais, obedece a essa lógica. À guisa de exemplo, basta mencionar que se recomenda destinar um metro quadrado para a manutenção de 12 frangos em um galpão de criação (EMBRAPA, 2003). Portanto, cada ave desfruta de espaço pouco superior a uma folha de papel padrão ofício para viver.



* As celas de gestação para porcas matrizes é outro exemplo de confinamento extremo. Nesse método, os animais são mantidos em gaiolas de 2,0m por 0,6m. Como a cela é pouco maior que o corpo do animal, este fica impedido até de dar um giro em torno de si mesmo. O confinamento por longo tempo acarreta distúrbios psicológicos em porcas matrizes, que podem desenvolver estereotipias, como morder barras, movimentar a cabeça repetidamente e pressionar bebedores sem tomar água, ou se tornarem extremamente inativos e não responsivos. Contribui, ainda, para o desenvolvimento de problemas físicos, como a paralisação dos membros, perda de massa muscular, fraqueza óssea e doenças respiratórias, decorrentes da exposição direta à amônia produzida por suas fezes armazenadas sob o piso ripado. (PERIN, 2012). 

* Confinados em níveis extremos ou criados em espaços muito reduzidos, os animais vivenciam diariamente tensão, estresse e frustração, fatores que acarretam problemas mentais severos e podem ser expressos por comportamentos anormais, como automutilação e canibalismo. Em lugar de lhes propiciar as condições de que necessitam, a perversa lógica da indústria de alimentos orienta a submetê-los a mutilações das partes do corpo sujeitas ou utilizadas para agressões, como caudas, bicos e dentes. Acrescente-se que essas mutilações são realizadas a frio, ou seja, sem qualquer espécie de analgesia ou anestesia. Para evitar bicadas de penas e de cloacas (ROCHA; LARA; BAIÃO, 2015) comuns em aves de postura, mas também favorecer o consumo da ração e reduzir a quebra de ovos (ÁVILA; ROLL; CATALAN, 2008), realiza-se a chamada debicagem, que consiste “na remoção de parte do bico superior e inferior, feita geralmente com lâmina elétrica quente que corta e cauteriza o tecido do bico” (ÁVILA; ROLL; CATALAN, 2008, p. 2). O procedimento é feito mediante a contenção mecânica e sem qualquer sedação ou analgesia, em aves com idade entre 7 e 10 dias de vida, repetindo-se entre 10ª ou 11ª semanas (MAZUCO et al, 1997, p. 25). 



* (Confinamento extremo, Mutilações, Muda forçada de penas, Descarte de pintinhos, Engorda mecânica, A coisificação dos animais no pensamento civilista) (3)

* As vacas produzem leite pela mesma razão que as mulheres – para alimentar os seus filhos. Para manter a produção de leite, as vacas são inseminadas artificialmente todos os anos. Em 9 meses seus filhotes nascem, e uma forte ligação materna ocorre instantaneamente. Mas eles não vão ter muito tempo juntos. Por volta de um a três dias, os bebês serão levados para longe das vacas, causando um sofrimento extremo para ambos os lados. Depois disso, mãe e filho nunca mais vão se ver novamente. Os bezerros geralmente são vendidos para a indústria da carne de vitela. Lá, eles são mantidos em pequenas caixas. Eles serão mortos depois de levar alguns meses de uma miserável vida. As bezerras provavelmente seguirão os mesmos passos de suas mães. Elas vão passar o resto de suas vidas como máquinas de leite, forçadas a produzir cerca de 5 vezes a mais do que produziriam para os seus filhos. (4)

* Para fazer aquele tipo de patê “foie gras”, cuja tradução é “fígado gordo”, gansos e patos têm o fígado atrofiado até a morte. São submetidos, para isso, a uma alimentação hipercalórica, em regime de confinamento, através de um tubo, para fazer seu fígado crescer dez vezes mais do que o normal. (5)

Há sofrimento na criação, no transporte e no abate dos animais.

"Não devemos esquecer que a agricultura animal é uma indústria que coloca o lucro como uma prioridade, e é como qualquer outra indústria que corta custos, com pouca consideração para os próprios animais. Eles são tratados como commodities, produtos, números e dinheiro." Don't make this about Islam – there is no such thing as 'humane slaughter' in the meat industry - Por Jimmy Pierson  - Independent 

Refugiados denunciam maus-tratos em fábrica da Sadia "Nas fábricas, executava uma única tarefa: com uma faca afiada, degolava cerca de 75 frangos por minuto pelo método halal, selo requerido pelos países de maioria islâmica que importam a carne brasileira. "Não dava nem para enxugar o suor", ele conta, referindo-se à alta velocidade com que tinha de executar os cortes na linha de abate. Pelo trabalho, recebia cerca de R$ 700 mensais."

Atriz Regina Duarte é voz ativa de pecuaristas contra direitos indígenas "Atualmente, os índios guarani-kaiowá e guarani-ñhandeva de Arroio-Korá vivem em situação precária e improvisada em barracos de lona na beira de estradas e em reservas indígenas do Cone Sul de Mato Grosso do Sul."

16 fotos que vão mudar o que você pensa sobre comer carne

Não existe abate/consumo de carne halal porque: 1- Os animais vivem uma vida miserável, 2- Não precisamos de carne pois existe uma grande variedade de alimentos hoje que podem ser consumidos (e que são muito mais baratos que a carne - cadáver), 3- Há grande devastação ambiental envolvida, 4 - Há grande prejuízo para a nossa saúde também, perdemos nosso ecossistema e consumimos hormônios e medicamentos que são dados a esses animais, 5 - O abate halal DIMINUI o sofrimento do animal, não o retira por completo, 6 - Índios e pessoas estão sendo mortas pela ganância dos pecuaristas. 

Se você sabe inglês recomendo os vídeos Is Halal Meat Humane? - Ziyaad Mia, JD e Injustice and Cruelty of Industrial Farming (Including Halal Meat) - Ziyaad Mia, JD, em breve serão traduzidos para o nosso canal do Youtube, assim que tivermos verbas $

(1) Criação bovina impacta negativamente o meio ambiente - Por Natália Alberti - Digitais Puc Campinas
(2) Muito além da exploração animal: criação de gado promove consumo de recursos naturais e danos ambientais em escala estratosférica - Por Marina Santos Chiapetta - eCycle
(3) A CRUELDADE NA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL - Por Luciana Imaculada de Paula - 
(4) 15 imagens que a Indústria de Leite não quer que você veja - Por O holocausto animal -
(5) Maus-tratos a animais que servem de alimento começam a criar desconforto - Por Amelia Gonzalez - G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário