TRADUTOR/TRANSLATE

sábado, 7 de outubro de 2017

Eu sou muçulmana e por isto digo NÃO ao hijab!

À primeira vista, essa frase soa incoerente e polêmica, afinal, "é o hijab que faz a mulher muçulmana ser identificada como tal"... Será mesmo? Ou a real é que "o hijab é que te torna um alvo fácil"?

Quero problematizar a palavra "hijab", que no Alcorão, não é usada para definir vestimenta, mas sim CORTINA, BARREIRA.
Então, quão razoável é para usar uma palavra para definir a vestimenta (o véu), algo que significa barreira? Eu, Ana Lúcia Meschke, só posso concluir, nas entrelinhas, que o véu é para anular a mulher!

Outra coisa, no Alcorão, não tem UMA palavra escrito "véu" (referente vestimenta) e nem diz que é para cobrir a cabeça, os cabelos. Fala-se para se cobrir com o intuito de cobrir a nudez, os atrativos, que só devem ser mostrados para um grupo específico: família, crianças que não sabem discernir a nudez, etc.

Aqui no Ocidente, a objetificação da mulher se dá pela exposição excessiva da nudez, com cunho totalmente sensual, sexualizado, assim como imposição de padrões de estética e beleza, que movimentam as indústrias da moda, cirurgias plásticas etc. Referente ao véu, ensina-se que é com o intuito de valorizar e preservar a mulher, como se isso antagonizasse com a objetificação que ocorre no Ocidente. Só que não é isso, minha gente.

O véu, de forma oposta, objetifica a mulher e distorce o conceito de feminilidade e Islã. Contrariando o Alcorão, que ensina a mulher a se vestir com recato e cobrir a nudez, os atrativos, religiosos ensinam que a mulher deve se cobrir por inteiro, sendo, muitas vezes, comparadas a pirulitos desembalados, e consequentemente, rodeado de moscas varejeiras. Alguns são mais sutis e menos grosseiros, dizendo que a mulher é como uma pérola e o véu é como uma concha. Isso só passa a mensagem de que a mulher só merece respeito se estiver totalmente coberta.

Por que ensinam a cobrir os cabelos se os cabelos obviamente não fazem parte da nudez? E por que não frisam a parte que é para o homem, antes de tudo, baixar o olhar? Quantas mulheres não são culpadas pelo assédio ou coisa pior, por causa da roupa? Quantas não são julgadas para transar, se não se vestem de acordo com a modéstia machista?

Deus diz claramente no Alcorão que não deseja nos impor carga alguma superior às nossas forças! Usar o véu torna a mulher alvo fácil do ódio anti-muçulmano. Nada justifica perseguir e agredir uma muçulmana que usa véu, mas isso, em boa parte, é culpa dos religiosos que ensinam coisas atribuídas errôneamente ao Islã mas que contrariam o Alcorão e os direitos humanos universais, despertando aversão e antipatia contra nós muçulmanos.

O véu, cedo ou tarde, afeta negativamente a vida da muçulmana pobre, que depende de transporte público, aguentando piadas infames, sendo rejeitada para vagas de emprego por usar uma indumentária-símbolo de opressão. Cedo ou tarde, ela é obrigada a tirar o véu se não quiser passar fome.

A muçulmana rica, a bem de vida que não precisa trabalhar, tanto faz se usa véu ou não. Por ela ter dinheiro, é bajulada. Ela não tem as portas fechadas no mercado de trabalho. Ela pode até ganhar dinheiro e visibilidade em um canal do YouTube, divulgando produtos (que juram fazer "resenhas" despretensiosas) de marcas renomadas. O pior é que muitas muçulmanas pobres se espelham nelas e nunca chegarão ao mesmo padrão. As marcas ocidentais perceberam que "modéstia" é lucrativa e cria coleções para esse público-alvo, mesmo que sejam roupas caríssimas e nada modestas: Dolce e Gabbana, Nike etc.

Para esse último grupo, sororidade não existe. Se elas estão bem, confortáveis, pouco importa se as outras irmãs de fé desfavorecidas estão sendo prejudicadas e oprimidas. Só gostaria de entender como elas conseguem colocar a cabeça no travesseiro ignorando isto tudo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário