TRADUTOR/TRANSLATE

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Adão NUNCA Foi Um Homem

"Deus criou para cada coisa a sua companhia (zaujaha)" Alcorão

A maioria dos muçulmanos, assim como a maioria dos judeus e cristãos, acredita que Adão foi a principal criação de Deus, e que Eva foi criada a partir da costela dele. Embora este MITO esteja enraizado no relato de Yahwist da criação, em Gênesis 2:18-24, essa estória não tem base no Alcorão, que descreve a criação do "homem e da mulher" em termos completamente igualitários.

Nas 30 passagens relativas à criação humana, o Alcorão usa termos genéricos para a humanidade (an-nas, al-insan, bashar), os quais o nome Hawwa' ou Eva não aparecem. A palavra "Adão" ocorre 25 vezes, mas é usada em 21 delas como símbolo da consciência humana (de acordo com essa interpretação). É pertinente ressaltar que a palavra "Adão" é uma palavra hebraica ("adamah" que significa "da terra") e que se refere a humanos e não a uma pessoa do sexo masculino. No Alcorão, a palavra "Adão" (que o árabe tomou emprestado do hebraico) na maioria das vezes não se refere a nenhum humano em particular. (1)

O Alcorão também não diz categoricamente que "Adão" foi o primeiro ser humano criado por Deus. O termo é usado frequentemente em referência a mais de um ser humano, como um substantivo coletivo, e também é corroborado pelo fato de que todos os seres humanos são abordados como "filhos de Adão". É importante notar que, embora o termo "Adão" não se refira a um ser humano em particular, a palavra se refere aos seres humanos de uma maneira particular.

Quando se usa os termos "bashar", "al-insam" e "an-nas", o Alcorão descreve o processo de criação física dos seres humanos, quando usa o termo "Adão", refere-se aos seres humanos somente quando eles se tornam representantes de uma humanidade autoconsciente, inteligente e moralmente autônoma.

Mas o Alcorão fala de "Adão e Zauj" nos versículos 2:35, 7:19 e 20:117. Assumindo que os muçulmanos, quase sem exceção, assumem que "Adão" foi o primeiro ser humano criado por Deus e que ele foi um homem, sendo um homem, segue-se que o "zauj" seria uma mulher, ou "Eva" em suas visões, só que nem a suposição inicial nem as inferências tiradas dela, apoiam isso. O Alcorão não afirma que Adão foi o primeiro ser humano ou que ele era um homem. O termo "Adão" é um substantivo masculino, mas gênero linguístico não é sexo. Se "Adão" não foi necessariamente um homem, então "zauj" não foi necessariamente uma mulher. Na verdade, o termo "zauj" também é um substantivo masculino e, ao contrário do termo "Adão", tem um homólogo feminino: "zaujatun". "Zauj" não significa "mulher" ou "marido", nem mesmo "esposo/a", mas "companhia".

"Zauj" é usado em referência não apenas aos seres humanos, mas a todos os tipos de criações, incluindo animais, plantas e frutas. No entanto, o termo "zaujatun", ou o seu plural, não são usados em qualquer parte do Alcorão, que usa consistentemente as formas masculinas "zauj" e "azwaj". Foi apontado pelo dicionário Taj al-'Arus que apenas as pessoas de Hejaz usaram o termo "zauj" em referência a mulheres, e em outros lugares o uso era "zaujatun". Além disso, a terminologia jurídica árabe sempre usa o termo "zaujatun" em referência a mulheres. Por que, então, o Alcorão, que certamente não foi dirigido apenas às pessoas de Hejaz, usa o termo "zauj" e não "zaujatun" se a referência for de fato à alguma mulher? Na minha opinião, a razão pela qual o Alcorão deixa os termos "Adão" e "zauj" deliberadamente pouco claros, não só no que diz respeito ao sexo, mas também no que diz respeito ao número, foi porque o objetivo não era narrar certos eventos da vida de um homem e uma mulher em particular (ou seja, o Adão e a Eva da crença popular) mas experiências de vida de todos os seres humanos, homens e mulheres." (ou de todas as criações de maneira geral)

De modo geral, o Alcorão refere-se à criação da humanidade (e da natureza) de duas maneiras: como um processo evolutivo cujas diversas fases ou estágios são mencionadas às vezes em conjunto e às vezes separadamente, e como um fato realizado ou consumado. Nas passagens em que a criação humana é descrita "concretamente" ou "analiticamente", descobrimos que não é feita menção à criação separada ou distinta de um homem ou uma mulher, como pode ser visto, por exemplo, a partir dos seguintes versículos: 15:26,28,29; 16:4; 22:5; 23:12-14; 25:24; 32:7-9; 36:77; 38:71-72; 39:6; 40:67; 55:3,4,14; 71:14,17; 76:2; 77:20-22; 82:6-8; 86: 5-7; 95:4; 96:1-2. Em algumas passagens (49:13; 53:45; 78:8), embora seja feita referência à criação dos seres humanos com "companheiros" sexualmente diferenciados, nenhuma prioridade ou superioridade é concedida a qualquer homem ou mulher.


Tom Hiddleston, como Adam, e Tilda Swinton em Only Lovers Left Alive.

Há, no entanto, alguns versos que são entendidos de tal maneira, que parecem endossar uma versão da história de Gênesis da criação do homem e da mulher. Esses versos podem ser agrupados em duas categorias. Os versículos mais importantes do primeiro grupo são: 16:72; 30:20-21; e 35:11. Os argumentos usados, por aqueles que dizem que as mulheres foram criadas de e para os homens, são apoiados da seguinte forma:

(1) 30:21 usa o termo "ilaiha" para se referir a "companhias" criadas a partir de, e para, da criação original. Uma vez que "ha" é um pronome em particular feminino, as "companhias" a que se refere devem ser femininas (tornando, assim, masculina a primeira criação);

(2) todas os três versos citados usam "kum" como uma forma de tratamento. Assim, estes versículos não são dirigidos a humanidade coletivamente, mas apenas aos homens, uma vez que o termo usado é um pronome masculino (segunda pessoa do plural) Os homens são, portanto, a principal criação de e para quem as "companhias" foram criadas. 

Em relação a (1), "ilaiha" significa literalmente "nela" e não "neles" e não se refere às mulheres (que não são mencionadas aqui), mas a "azwaj" (plural masculino usado no Alcorão para homens e mulheres). Se as "companhias" fossem claramente designadas como mulheres, o termo usado seria "hunna", não "ha". O uso de "ha" aqui é consistente com a regra gramatical árabe que permite o uso de termos femininos singulares para uma classe ou coletividade. O fato de que as criaturas a quem a passagem é endereçada são referidas como "bashar" ainda suporta o argumento de que as "companhias" criadas por Allah não são apenas mulheres (para homens), já que "bashar" obviamente tem referência bissexual.

Em relação ao (2), o árabe permite o uso de "kum" para homens e mulheres. Quando se refere apenas às mulheres, usa-se "kunna". Aqui, é interessante notar, que Muntaz 'Ali em seu livro Haquq-e-Niswan (The Rights of Women,1898), apontou que o Alcorão usa a forma masculina para prescrever funções fundamentais (salat, zakat, jejum) para homens e mulheres muçulmanos. Se os termos masculinos são direcionados e entendidos por toda "ummah" (comunidade) muçulmana aos homens e as mulheres em contextos altamente significativos, como a prescrição de deveres religiosos básicos, não se pode argumentar que esses termos se aplicam invariavelmente e exclusivamente apenas aos homens.

Quanto ao segundo grupo de versículos que são citados para "provar" a prioridade ontológica e "superioridade" do homem, os seguintes são de excepcional importância: 4:1; 7:189; e 39:6. Nestes versículos (como também em 6:99 e 31:28) é feita referência à criação de uma fonte ou ser (nafsin wahidatin) de todos os seres humanos. Os muçulmanos, com praticamente quase nenhuma exceção, acreditam que a única fonte original é um homem chamado Adão. Essa crença levou muitos tradutores do Alcorão a traduzir incorretamente passagens simples. Por exemplo, 4:1, se corretamente traduzido, lê-se da seguinte maneira: "Ó humanos, reverenciem -sua Deusa- que os (plural) criou a partir de um ser (nafsin wahidatin) e da mesma maneira criou a sua companhia (zaujaha) e espalhou a partir desses dois seres muitos homens e mulheres". (não podemos afirmar quem foi criado primeiro, se foi o homem ou a mulher). (2)

Entender a criação de Adão como o princípio da superioridade masculina é um erro grosseiro. Teólogos sérios e comprometidos sabem que Adão é uma palavra hebraica (e não árabe) que significa 'da terra' (de 'adamah'). O termo Adão é um substantivo coletivo e não se refere ao um ser humano do sexo masculino. No Alcorão, o termo "Adão" refere-se, como já dito, em 21 casos de 25, à humanidade. É um termo universal e específico, e seus termos genéricos e universais são usados para definir a criação humana. (ou todas as criações como eu acho correto)

Há também a famosa queda do céu, que muitos têm usado para justificar "teologicamente" a inferioridade das mulheres, alegando que Eva provocou à queda da humanidade do Paraíso. No entanto, o Islã não propaga a ideia da queda como algo que separa a divindade da experiência humana, em vez disso, a expulsão do par do Paraíso abre a possibilidade de a humanidade receber imensamente a misericórdia de Deus e adquirir a salvação moral através do seu próprio comportamento/esforço e moralidade (não teríamos que trabalhar para o Paraíso se já estivéssemos lá!).

Embora a narrativa da expulsão, que está no Alcorão, não sugira a perda da Graça Divina ou que a mulher tenha desempenhado papel crucial em sua causa, os exegetas muçulmanos pegam, emprestado por atacado, relatos bíblicos para afirmar o papel de Eva na queda e na sua criação através da costela de Adão (através das ahadith). Há também a crença popular de que a menstruação e o parto seriam punições para o pecado de Eva. Tais crenças, portanto, servem para que eles justifiquem seus ideais mesquinhos e patriarcais de que a natureza feminina é pecaminosa, fraca e inferior, mesmo que estas narrativas não estejam no Alcorão ou sejam realmente islâmicas. Mas, mesmo que alguém tome emprestado os relatos bíblicos, estes também estão distorcidos. O Antigo Testamento não prega a ideia do pecado original ou da queda sexual. Os primeiros Hebreus enfatizaram que todos os seres humanos foram criados à imagem de Deus. A afirmação de que Eva foi criada a partir da costela de Adão foi uma distorção posterior. (3)

“Ó muçulmanos! Eu os aviso para serem gentis com as mulheres, porque elas foram criadas de uma costela..." Saheeh Al-Bukhari
Nós não acreditamos que toda a humanidade, que agora se encontra em diferentes partes da Terra, são a progenitura de um primeiro homem, ao contrário, consideramos que Adão não foi o primeiro homem. A humanidade já existia antes dele, como é sugerido pelo próprio Alcorão, quando diz a Adão: "Estou prestes a colocar um califa na Terra". Como califa significa sucessor, é claro que o homem já existia antes de Adão. Portanto, não podemos dizer que os habitantes originais da América, Austrália etc. são a progênie deste último "Adão" ou algum outro "Adão" antes dele. (4)

O Alcorão também esclarece que Adão não foi o único ser criado na Terra, pois toda a humanidade, incluindo Jesus, foi criada de maneira semelhante - ao contrário da Bíblia que menciona Adão como tendo sido criado exclusivamente "a partir do pó". O Alcorão diz: "O exemplo de Jesus, ante Deus, é idêntico ao de Adão, que Ele o criou na Terra, então lhe disse: Seja! e foi." 3:59. Da mesma forma, sobre a criação de todo o homem, o Alcorão diz: "Entre os Seus sinais está o de haver-vos criado na Terra; logo sois seres que se espalham (pelo globo)" 30:20. "Criamos o homem de essência de barro" 23:12. "E Deus vos criou na Terra; então de esperma; depois vos dividiu em pares. E nenhuma fêmea concebe ou gera sem o Seu conhecimento. Não se prolonga, nem se abrevia a vida de ninguém, sem que isso esteja registrado no Livro, porque isso é fácil a Deus." 35:11. "Recorda-te de quando o teu Senhor disse aos anjos: Do barro criarei um homem.." 38:71. (do barro ou na Terra/planeta?)

O homem se espalhou por toda a Terra. A árvore evolutiva da raça humana brotou da mesma raiz e se espalhou sob a forma de ramos, sub-ramos e mais outros sub-ramos em diferentes partes do mundo. Após a criação do homem, Deus lhe deu uma forma adequada e forneceu-lhe a orientação adequada (Taha 20:51). Ele, portanto, enviou Seus sucessores (califas) para cada ramo e sub-ramo assim que o homem, como resultado do processo evolutivo, se tornou capaz física, intelectualmente, social e espiritualmente de receber, entender e seguir Sua orientação.

"Adão" são todos os seres criados na Terra(?)


Fontes

(1) Women and Islam: Images and realities por Haideh Moghissi - página 201
(2) Eve and Adam: Jewish, Christian, and Muslim Readings on Genesis and Gender editado por Kristen E. Kvam, Linda S. Schearing,Valarie H. Ziegler - página 467, 468, 459
(3) — Ontological Gender Equality in the Qur’an | Reclaiming Islam
(4) Malfooza'at Vol. 10, Página 426

Tradução Tia Polly

Nenhum comentário:

Postar um comentário